Poesias

Abílio Lourenço Martins

Titular da Cadeira nº 12

 

O tempo é surpreendente!

            Ah, como o tempo nos surpreende!

            Num piscar de olho, sinto, como se ontem fosse, as palmadas e afagos da minha mãe.

            Sinto o dedo mínimo do meu pai puxando-me na sua sombra. Os outros quatro eram demasiadamente grandes para a mão de uma criança;

            Vejo-me correndo, brincando incessantemente, pelas ruas da minha cidade natal;

            Vejo-me preguiçosamente sentado nas mesas dos colégios, Patronato e Ginásio Ipuense;

            Sinto nos beijos do meu pai o seu bigode rasgando a minha face;

            Vejo-me no seminário, estudando, jogando, recebendo a formação cristã;

            Sinto as primeiras pulsações do coração ao sentir a emoção do primeiro amor;

            Sinto as carícias e os beijos de cada namorada;

            Vejo-me nos bancos da Universidade Federal e UNIFOR recebendo a minha formação profissional;

            Vejo o primeiro encontro e o primeiro beijo com a minha mulher;

            Vejo o nascimento e o crescimento dos meus três queridos filhos;

            Vejo o nascimento dos netinhos;

            Vejo com saudade dos colegas do Departamento de Polícia Federal;

            Vejo a chegada da aposentadoria;

           Vejo o nascimento dos primeiros cabelos brancos!

          Vejo a queda dos últimos cabelos brancos;

         Vejo o tempo célere passar.

 

        Fortaleza, 25 ago 2019

 

Mais artigos do Autor.