Crônicas

Francisco de Assis Martins

Titular da Cadeira nº 15

“São João... acende a fogueira do meu coração”.

 

Quem um dia não se vestiu de matuto, tomou aluá, comeu pé-de-moleque e dançou quadrilha ao som da sanfona, zabumba e triangulo? A magia das festas juninas despertas uma profusão de sentimentos em todos os corações. Desde os mais velhos que relembram com saudades as noites estreladas, iluminadas por coloridos balões, às fogueiras ardendo no terreiro das casas, as adivinhações, os “cumpadres” de fogueira, o brilho dos fogos de artifício e as músicas... “São João está dormindo, não acorde, não...” “O balão vai subindo, vai caindo a garoa, o céu é tão lindo e a noite é tão boa...”

As noites eram boas, pacatas, singelas. Pena que os jovens de hoje não as conheceram... Mas será que acostumados a dançar quadrilhas coreografadas, vestidos com roupas tão produzidas que deixam longe a semelhança com as vestes caipiras de antigamente, comendo doces sem o gostinho daqueles feitos em casa, eles iriam gostar.

Festa Junina sem terreiro enfeitado de bandeirinhas, sem mastro de São João, sem fogueira para pular, sem as músicas ingênuas de outros tempos, ou coisa mais sem graça, certamente diriam.

Pena que no Brasil as tradições não sejam preservadas. O mundo evoluiu, o progresso muda a vida, das pessoas, a face da terra, mas as tradições deveriam resistir a tudo isso. É o que fica para contar a nossa história o costume de nossa gente. Faz parte da cultura de uma nação. Ai da velha Europa, que pertence ao chamado Primeiro Mundo, se não conservasse suas tradições! No Brasil infelizmente, as pessoas confundem tradição com velharia, com coisa ultrapassada. E assim, em nome do progresso, tratam logo de “modernizar” o que jamais deveria ser mudado para não estragar sua pureza, sua poesia.

Francisco de Assis Martins 1

.

Mais artigos do Autor.