Artigos

José Solon Sales e Silva

Titular da Cadeira nº 34

 

DUETO AIRES

Texto: José Solon Sales e Silva - Acadêmico titular da Cadeira nº 34

Vozes: Ana Lucila Aires Martins, titular da Cadeira nº 17 e Paulo Rogério Aires Martins, acadêmico correspondente - Mossoró/RN

 

            Uma das atividades de um acadêmico deve centrar-se na pesquisa da vida de seu Patrono. A Patrona da Cadeira Nº 17 da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes é a Profa. Maria Valderez Soares de Paiva. Patrona e Titular, duas artistas especiais. Valderez atuou em vários segmentos da arte dentre eles, mais efetivamente e de maneira ininterrupta na música, canto, pintura e teatro. Na música foi instrumentista de piano, órgão, violino, violão, acordeom. Foi também arranjadora e maestrina. No teatro, além de atriz de talento, também foi diretora. Fez escola e multiplicou dons com muitos ipuenses. Uma de suas alunas, Ana Lucila Aires Martins, dona de talento nato é a atual titular da cadeira Nº 17 que é protegida por esta grande mulher de aptidão para as artes.

            Dentre as ocupações diárias de D. Valderez, como toda a cidade a tratava, era a regência do Coral Santa Cecília. Maestrina de folego esteve à frente deste Coral por mais de trinta anos. O Coral cantava nas missas da Matriz de São Sebastião com capricho e repertório rígido escolhido pelo Monsenhor Moraes, antes mesmo do Concílio Vaticano II, cantavam em Latim e diria perfeito, pois o Monsenhor era de formação canônica rígida, moldada por D. José Tupinamba da Frota, que exigia de seus vigários o cumprimento rígido da liturgia e a observância do Cerimonial dos Bispos.

            Dentre os muitos instrumentos tocados por D. Valderez um deles era o harmônio ou órgão de fole sempre pronto no coro da igreja e posteriormente mais próximo ao presbitério. O repertório era impecável e seguia todos os preceitos canônicos. Muitos excelentes cantores e cantoras ipuense passaram pelo Coral Santa Cecília. Uma das músicas icônicas executadas pelo Coral durante as missas era o Salmo 22.

            O vídeo “Dueto Aires” traz a memória destas celebrações, na matriz de São Sebastião, música muito executada durante os anos 60 e 70, já no pós Concilio. A gravação realizada pelos dois Acadêmicos Ana Lucila e Paulo Rogério Aires, Acadêmico Correspondente da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes, em Mossoró, Rio Grande do Norte, contou com as benesses da tecnologia, ele em Mossoró e ela em Fortaleza a partir de vídeo chamada. Mesmo sem grandes recursos a gravação ficou de ótima qualidade.

            Aspecto relevante do vídeo é o cenário escolhido por Ana Lucila tendo ao fundo uma de suas telas a óleo intitulada “Jesus e a Boa Samaritana”, pois Lucila, assim como sua Patrona e artista multifacetada.

            Assim, evoca-se a valorosa contribuição da Patrona Valderez Soares, para as artes ipuenses. Com maestria e competência regeu o Coral. Com esmero e dedicação engrandeceu o segmento das artes na terra de Iracema. Por este vídeo cultua-se a memória da Patrona e divulga-se as melodiosas vozes dos interpretes e instrumentista em forte alusão ao setor das artes da Academia.

            Convém também agradecer a substancial colaboração de Ludimila Aires de Vasconcelos, profissional de marketing digital e eventos, pela indispensável cooperação na edição do vídeo.

            E viva a arte!

Texto do Acadêmico José Solon Sales e Silva, titular da Cadeira Nº 34.

 

Mais artigos do Autor.