Acadêmicos

Cadeira Nº 06

 Patrono

Antônio Carvalho Matins

Acadêmica: Ana Maria Marques Martins

Posse: 16 jan 2021

DN: 6 janeiro

 

Antecessora:

Maria do Carmo Cavalcante Aragão Magalhães

Posse: 14 jan 2006

 

  • * * * * * * *

Discurso de posse

(Ana Maria Marques Martins)

Senhor presidente da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes, ilustres acadêmicos,

É com muita alegria que tomo posse como Membro Titular da cadeira de n° 6, tendo como Patrono Antonio Carvalho Martins, jovem aventureiro e autodidata desta cidade, que mais tarde, na sua fase adulta, tornou-se um responsável pai de família e um excelente profissional, exercendo vários ofícios. Atuou na área da saúde contribuindo para a erradicação de patologias, contribuiu com o desenvolvimento do setor terciário desta urbe, também colaborou com o universo das letras e entretenimento da cidade, unindo as pessoas e favorecendo a comunicação entre estas.  

Ocuparei a cadeira que fora ocupada pela exímia educadora desta cidade, Maria do Carmo Cavalcante Aragão Magalhães ou simplesmente, Carmita Aragão, como era conhecida por todos. Formada em Letras e Pedagogia, Carmita Aragão desempenhou, com maestria, suas ocupações educacionais, seja como professora, Secretária ou na vice diretoria na Escola Monsenhor Gonçalo de Oliveira Lima. O mundo da Educação lhe fascinava. Uma apaixonada pela vida, poetizava e se encantava com o melhor de sua existência, a família, sobretudo, os netos, desenvolvendo o amor por tudo de bom que lhe cercava. Amante da boa música, mas uma em especial tornou-se seu hino, Fascinação, tradução de Fascination. Assim, como a cor rubra, são características marcantes de uma mulher forte e determinada.

Fazer parte desta Academia é uma grande honra, pois, como disse Milan Kundera,

“O homem pode pôr fim à sua vida, mas não à sua imortalidade.”

Compreendo que mesmo depois de partirmos deste plano, continuaremos existindo quando nossos feitos permanecem aqui, sejam eles físicos, palpáveis ou abstratos. Pertencer a AILCA, representação máxima e abrigo maior da cultura ipuense é glorioso.

O universo das Letras para mim, é afeto e realização profissional. Afeto, porque fui incentivada à leitura muito cedo, vivi minha infância em um meio propício, poético. No ambiente exterior vivia rodeada de livros, trazidos pelo meu pai, cordelista autodidata, que tem na veia a poesia e me transmitiu pelo DNA. Meu irmão lia estórias comigo, despertando em mim a imaginação. Porém, esse ambiente era somente um berço, preparado para eu deitar a poesia que morava em meu interior, aninhando-a naquele local favorável para seu descanso e crescimento... Realização profissional, pois é meu campo de atuação, uma vez que exerço a profissão de professora e como escritora, é um facilitador entre meus sentimentos e o mundo concreto, um meio de manter a interação entre o abstrato, o virtual e o palpável...

Este momento especial, de realização, não significa que chego a um ponto de parada durante essa caminhada, mas um começo, uma nova missão.

Obrigada!

Mais artigos do Autor.