Poesias

Francisco de Assis Martins

Dentre os 2.812 participantes inscritos no “Concurso Nacional Novos Poetas”, da Vivara Editora, o acadêmico Francisco de Assis Martins, titular da Cadeira número 15, da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes, obteve o Sexto lugar com a poesia “Ode ao Cruzeiro”.

A poesia, segundo o editor chefe da Vivara Editora, Isaac Almeida,  fará parte do livro “Antologia Poética, Prêmio Poesia Livre 2015”, brevemente a ser lançado.

Ao poeta, os parabéns dos confrades da Academia Ipuense de Letras.

 

ODE AO CRUZEIRO


Cruzeiro Velho, testemunho amigo,
Falei contigo quantas vezes dela!
Mas te guardaste deste meu segredo
Talvez com medo de comprometê-la.

Agora chega de calar-te, e fala
Que foi de amá-la que estraguei a vida.
Cruzeiro velho, quantas noites vinha
Contar-te a minha solidão sofrida.

Mornos domingos de fagueiros papos,
De cujos trapos vou-me consumindo!
Cruzeiro velho, é melhor calar-te:
Calar faz parte desse tempo lindo.

Guarda os tesouros de tudo que viste,
De alegre e triste que esta vida é assim.
Não contes nada, meu cruzeiro velho,
Borra o espelho do que vês em mim.

Mais artigos do Autor.