Poesias

Maria Silonildes de Mesquita

Titular da Cadeira nº 38

 

RIOS DE MIM !

Quantos rios convergem seus leitos

No âmago de mim

Dentro de minh'alma cansada

De menina a mulher

Sou toda passagem...

Para estas águas profundas

Uns me veem tão revoltos e caudalosos

E tentam arrastar consigo as Minhas crenças e ilusões

Eu me ponho a lutar

E já sem forças

Apenas bendigo e abraço

Estas águas profundas

Que logo se transformam em

Leitos cristalinos e cheios de esperança

Que se deixam pelos ventos levar

Ventos que tudo levam, tudo trazem

E se envoltam em mim

Rios de correntes límpidas e fortes

Cheias de choro e saudade

De alguém que partiu para não mais voltar

Rios que deságuam em mim

Com melodias tristes

Me falando do abandona

Da dor e da solidão

Tentam ancorar em meu ser

Mas a brisa fria da manhã

Cheia dos raios de sol

Clareia meus pensamentos

E me faz resistência

Tansforma tudo dentro de mim,

Meu leito de rio profundo

Se transforma em claros afluentes

E converge para as profundezas do grandioso mar libertador!

 

Fortaleza;12/02/2020

 

Mais artigos do Autor.