Poesias

José Solon Sales e Silva

Titular da Cadeira nº 34

 

ÊXTASE

Não se pode inventar o que existe

Arrebatamento do espírito ou enlevo

É como o êxtase subsiste

Contemplação do que é divino

É o que se sente em enleio

Fazer o que gosta

Sentir, estar, ficar

É bom em nossa crosta

Seguindo em caminhar

Porém chegar ao êxtase

Difícil é o divino

Não impossível na vida

Desde que seja sentida

É o que se sente em enleio

Quando se tem coração

Quando ele bate no peito

Sem perde a ilusão

Querendo que tenha um jeito

Buscando uma visão

Sentir e fazer sentir êxtase

Deveria ser obrigação

Levar alegria aos outros

É esta a aspiração

Estando todos no mundo

O êxtase é obrigação

Não se deseja o submundo

Buscam-se libertação

Quisera ser eu

O que leva alegria

Para melhora de vida

Tapando as feridas

Um instrumento do êxtase

Coco, 21/11/2019 

 

Mais artigos do Autor.