Poesias

Frei Aquino Rodrigues Torres

Acadêmico "In memoriam"

Ex-titular da Cadeira nº 10

 

Meu sertão

 

Terra tostada, mata seca,

Sem água...

Sem água, com sede,

Como será a vida no meu sertão?

 

Terra queimada, sem ter enxada,

Que abre brecha no coração

Do meu sertão.

 

O galo magro, o clima

Ardente do meu sertão,

Onde ficou a transposição?

 

O sertão sofre as dores

Da seca braba,

Que fere a gente

Bem no coração.

 

Ó meu sertão, doce rincão,

Ferem as cordas sentimentais...

Estás bem guardado no meu coração.

Mais artigos do Autor.