Poesias
Francisco de Assis Martins
Titular da Cadeira Nº 15: Patrono - João Anastácio Martins
 
Erguia-se a Mungubeira sonolenta
Frente ao Colégio e junto à velha Igreja
Abrigando na sombra benfazeja
A estudantada alegre e rumorenta
 
Aos golpes do machado, na tormenta,
O caule em dor se estorce, geme e arqueja.
Afinal, indo ao chão, range e estrondeja.
Toda a vasta ramagem opulenta.·.
 
Exposta ao Sol e ao fogo, ressequida,
A Mungubeira adusta é destruída
Na ardência da implacável combustão.
 
Predestinada ao bem deu sempre amor,
A Mungubeira difundiu calma e frescor.
E teve, em recompensa, a ingratidão!
 
 
Fortaleza, junho de 1994.

Mais artigos do Autor.