Poesias
Francisco de Assis Martins
Titular da Cadeira Nº 15 - Patrono: João Anastácio Martins
Um brilho de alegria 
No olhar desconsolado.
Então, torna-se inundado de claridade e de calor,
Quando a luz dourada e macia do sol
A envolve num dia claro
E sereno de primavera.
Feliz quem ao raiar do sol,
Palmilha sempre pela sua senda
Afastando de outros caminhos
As pedras e os espinhos.
Feliz que ao raiar do sol,
Marcha resoluto pela grande estrada,
Compreendendo-a e se fazendo compreender,
E, carregando, sempre uma bonança de flores.
Para espalhar no seu e em outros caminhos.
Seu espirito é um cancioneiro
Que faz soar na gloria de sua canção
O hino sublime da redenção.
No louro favo de mel,
O gesto brando da flor.
Formosura e pureza
Da brandura das angélicas.
A vertente a jorrar a água cristalina e pura,
Na noite recoberta de constelações.
Quando já não guardares,
O passado de profundas queixas,
Se não a certeza do perdão.
Quando já não conservares,
Do pretérito amargas memórias,
Mas apenas doces lembranças,
De pequeninas felicidades
Que te alegraram.
 
 
 

Mais artigos do Autor.