Discursos

Cláudio César Magalhães Martins

 

DISCURSO NA SESSÃO SOLENE DE 15.01.16, EM IPU

           

            Completam-se hoje 10 anos que um grupo de ipuenses idealistas teve a feliz ideia de fundar a Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes. Seus nobres objetivos eram o cultivo das letras, das ciências e das artes da cidade de Ipu, a preservação da produção literária, científica e artística do Município e a promoção de atividades culturais e científicas em prol da sociedade ipuense.

            Hoje, encerra-se mais uma etapa da Academia, com a posse de uma nova Diretoria, encabeçada pela acadêmica Natália Maria Viana Soares Lopes, a quem desejamos uma profícua gestão.

            Cumpre-me, também, tecer alguns comentários sobre minha gestão, que hoje termina. Primeiramente, agradeço àqueles que, em todas as horas, estiveram do meu lado, a começar do dileto vice-presidente, Manuel Evander Uchôa Lopes, da atuante e competente Secretária-Geral, Francisca Ferreira do Nascimento, do competente e assíduo Secretário-Geral Adjunto, Olívio Martins de Souza Torres e do competente e sempre presente 2º vice-presidente, Francisco de Assis Martins. Aos acadêmicos e acadêmicas que prestigiaram as reuniões da Academia, principalmente as realizadas na cidade de Fortaleza, aqui vão meus sinceros agradecimentos.

            Com relação ao Ipu, onde se situa a sede da Academia, em mais de uma oportunidade, somente contei, para decepção minha, com a presença de dois membros do colegiado aqui residentes, fato este devidamente registrado nas listas de presença anexadas às atas das respectivas reuniões. A propósito, cumpre-me dizer que meus deslocamentos de Fortaleza a Ipu quase sempre implicaram o cancelamento de compromissos importantes na capital, além de uma estafante viagem de 300 km. Entretanto, como diz a sabedoria popular: "são ossos do ofício."

            Hoje entrego a direção da Academia com a sensação do dever cumprido e com uma grande frustração: não ver realizado o projeto de reforma desta casa, não obstante várias tentativas empreendidas no sentido de destravar a verba destinada para tal. Mais uma vez a burocracia, esta hidra de incontáveis cabeças, se colocou como obstáculo intransponível às nossas aspirações.

            Dentro do acréscimo de tarefas que tive de enfrentar, com a renúncia, em junho de 2015, da Diretora de Publicações e Marketing, Lourdes Mozart, menciono a organização e impressão da Revista Acadêmica VI e a confecção da agenda 2016, que implicou a busca de patrocinadores e diversos entendimentos, assim como idas e vindas às editoras selecionadas. Para satisfação minha, tanto a Revista Acadêmica como a Agenda 2016 foram elaboradas de forma primorosa, como todos poderão verificar no local onde se encontram.

            Tenho, ainda, uma vitória a comemorar: a regularização da situação fiscal desta Instituição junto à Receita Federal, cujo atraso remontava ao ano de 2011 e que demandou inúmeras idas e vindas tanto aqui no Ipu como em Fortaleza para a obtenção do Certificado Digital, bem como a contratação de uma contadora especializada na matéria. Para tanto, contei com a colaboração efetiva do Diretor Financeiro, Cel. Francisco Martins de Souza Torres. Pode parecer pouca coisa, mas a irregularidade da Academia junto à Receita Federal poderia trazer, no futuro, grandes obstáculos ao nosso Colegiado no tocante ao recebimento de verbas ou mesmo à solicitação de empréstimos e financiamentos junto a instituições financeiras e a órgãos públicos. Transmitirei à nova Administração que hoje toma posse uma situação totalmente saneada, com todas as multas pagas. Alerto, apenas, à  presidenta  que, até junho do ano em curso, ela deverá providenciar um novo Certificado Digital, como também a obrigatória Declaração exigida pela Receita Federal.

            Não vou estender-me mais, mesmo porque, em seguida, tomarão posse dois novos acadêmicos e a nova Diretoria eleita para o próximo biênio.

            Diria, apenas, ao término de minha gestão, o que disse o Apóstolo Paulo, na 2ª Carta a Timóteo, ao finalizar sua missão evangelizadora: "Combati o bom combate, completei a corrida, perseverei na fé." Se me está reservada a coroa de justiça pleiteada pelo Apóstolo, os acadêmicos de hoje e de amanhã poderão dizê-lo. Saio de consciência tranquila e de cabeça erguida, pois jamais coloquei interesses ou amizades pessoais acima dos nobres objetivos e interesses da Academia. Se fui incompreendido por alguns ou algumas, paciência: Jesus Cristo também o foi.

                                                                                  Tenho dito !

 

Mais artigos do Autor.