Discursos

Maria Telma de Melo Lima - Titular da Cadeira n° 16

 

POSSE NA ACADEMIA IPUENSE DE LETRAS CIENCIAS E ARTES – AILCA

                  Excelentíssimo Senhores: Presidente de Honra da Academia Ipuense de Letras Ciências e Artes do Ipu - AILCA , Dr.Thomaz de Araujo Correa, Presidente Claudio Cesar Magalhães Martins, Vice Presidente Evander Uchoa Lopes, Diretora da Sede Dr. Oswaldo Araujo, Acadèmica Maria das Graças Aires, Secretária geral Francisca Ferreira.

 Comprimento todos Acadêmicos, Meus familiares, queridos conterrâneos e demais presentes.

                Quando recebi o convite para candidatar-me a uma cadeira nesta conceituada Academia, confesso que fiquei surpresa, não me achava a altura de tal título. De pronto não aceitei. Convenceram-me e aqui estou.

                 Honra-me ocupar a cadeira 16. Ela pertencia a uma ilustre Ipuense, que recentemente nos deixou, foi para outro plano. Minha amiga

Maria da Conceição Viana Mourão. Companheira das noites de roda das calçadas do quadro da Igrejinha. Muito leu e não guardava os seus brilhantes conhecimentos para si, repassava com uma categoria simplística. Foi Mestra, Teatróloga, escritora. Faleceu em janeiro de 2015.

                  Como Patrona da cadeira que a partir de hoje passo a ocupar, vem outra brilhante satisfação. Recebo com muita alegria o nome da saudosa maestrina das artes Ernestina da Natividade Magalhães. A responsável de ter descoberto no meu pai, o talento para a arte cênica.         Tinha 11 anos de idade quando ela nos deixou. Uma senhora de ideias além do seu tempo. Ipuense filha de Raimundo Rodrigues Magalhães e Isabel de Souza Magalhães. A Religiosa, florista, teatróloga nos deixou em 03 de outubro de 1962.

                  Não sou letrada, apenas uma autodidata que brinca de escrever. Transfiro para a escrita o que minha alma sente, nas aflições, angústia, vitórias, conquistas, ganhos e perdas. Relato a ciranda inquieta que é a vida. Vejo-me detentora de um feito maior. A de ter gerado a vida a 3 filhos. Eles sim, me transformaram num ser melhor. Com eles conheci o verdadeiro sentimento, o maior de todos. O amor. ( Apresenta os filhos e netos). Amo a vida, meus semelhantes, amo a natureza que para mim representa Deus ou Jorei aqui na terra.

Criada no catolicismo, tenho fé. Respeito a doutrina de Alan Cardec.

                  No Banco do Brasil, onde fui funcionária durante 26 anos, Aprendi. O bastante para o crescimento de uma cidadã que desde cedo, como mãe de família foi à luta. E esta instituição me fez ver que a ética, a honestidade e a educação são valores indispensável para toda vida.

                     Apresento-me assim, a meus pares, Maria Telma de Melo Lima ou Telma Lima. Nascida e criada nesta cidade abençoada, onde me curvo para servi-la, onde almejo vê-la bem cuidada, bem zelada. Que seus filhos, principalmente os mais jovens, não deixem este encanto, esta magia de lugar perder a sua essência, a cultura dos seus filhos, que faz desta cidade diferente das demais.

                    Uma das características mais marcantes do Homem é a sua capacidade e necessidade de contar histórias. Assim surgiu a linguagem falada, em seguida a música e por fim a escrita. Mais tarde se aperfeiçoou a transmissão para livros de papéis, e depois em 1455, de forma mecanizada graças a maravilhosa imprensa do alemão Johannes Gutemberg.

                    Chegamos aqui, graças ao instinto natural que nos impelem a compartilhar histórias, experiências, conhecimentos, crenças e desejos. Assim como os desenhistas das cavernas, somos escribas com uma missão única que não pode ser executada por mais ninguém, registrar as especificidades da cultura ipuense, repleta de singularidades e nuances, forjadas por nosso clima, geografia, origem étnicas e Histórias que nos fazem únicos e que só aqueles que aqui nasceram são capazes de compreender. Esta é a nossa missão maior mas talvez não seja a mais premente.

                   O maior tesouro da humanidade é a diversidade de sua cultura, expressada na música regional, em seu sotaque e nas suas histórias.Esta diversidade se encontra ameaçada pela difusão da chamada cultura de massa. Como podemos enfrentar o poder imenso da TV, cinema e internet? Eu acredito que a leitura tem o poder libertador, e cabe a esta Academia levar a leitura aos ipuenses, sobretudo aos mais jovens. Esta é a nossa missão, formar leitores que perpetuarão nossa cultura, nossas histórias, nossas crenças, nossos sentimentos. Apenas e tão somente eles, os leitores farão de nós imortais.

                  Esta noite onde me torno Acadêmica, dedico aos meus familiares que estão em outro plano. Meu pai Francisco Lisboa Lima ( Dizia eu: quando crescer quero ser igual a ele). A minha mãe Antonia Melo Lisboa. Por mais de 20 anos invertemos os papeis. Eu fui a mãe e ela, a minha criança. Minha irmã Maria do Socorro de Melo Lima (Corrinha),amiga confidente. E a meu grande amor Manoel Cavalcanti de Albuquerque. Espero cooperar para o fortalecimento desta casa, trazendo boas ideias.

                Nesta noite lanço mais um livro intitulado “Pensando Alto”, que gostaria de presentear a todos. É uma coletânea de contos, poesias, prosa e crônicas. Estarei nas acomodações da AFAI para o momento de autógrafos.

Os meus agradecimentos aos Srs. Abilio Martins, Claudio Cesar e Dr. João Martins que me incentivaram e convidaram para hoje fazer parte deste seleto grupo da Academia de Letras da minha querida cidade.

Os amigos, família, muitos vieram de longe para estar comigo nesta noite de conquista, o meu muito obrigada.

               

                                                                         Ipu 22 de agosto de 2015

 

Mais artigos do Autor.