Crônicas

Prof. José Solon Sales e Silva

Titular da Cadeira nº 34

 

UM EVENTO NO PAÍS DE MOSSORÓ

            Afeto. Meu sentimento por esta cidade progressista e de homens de letras. Conheço-a a muito. Quente nos mais diversos sentidos, sobretudo em calor humano. Terra de pessoas acolhedoras, amáveis, disponíveis. Terra feita por muitos e de muitos cantos. Cearenses também a fizeram e fazem. Terra encantadora, guardada pelos auspícios de Santa Luzia.

Recentemente estive lá outra vez. Há, e como admiro aquele torrão. Uma de minhas sobrinhas-netas é fruto de Mossoró. Janisi, sobrinha afilhada e muito amada, de quem me orgulho, professora, como eu, foi encontrar um amor neste país do jerimum, neste país de Mossoró. Mais um motivo para gostar e amar esta cidade, do Guido, meu sobrinho torto, músico de alçada, sensível e declamador dos poemas do Antônio Francisco, só superado pelo próprio autor.

            E as águas termais? Um relaxante a parte. Pois bem, recentemente estive lá pra participar de um evento de minha área laboral. VI Jornada de Estudos Turísticos, concebida, gerida e executada pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, por meio de seu Departamento de Turismo, no momento gerido por uma cearense. Minha ex-aluna, viu. Quimérico. Maravilhoso. Brioso. Para começar levei um bom grupo de alunos, acompanhados de amigos de trabalho. Curiosamente também dois ex-alunos, muito queridos e uma amiga de longas datas, também professora. Tratam-se de Lianeide Souto, Amaury Gurgel e Silvia Romero, todos professores de alçada.

            Em lá chegando, na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, fomos recepcionados por mais ex-alunas, na verdade amigas. Raimunda Maria Marques, Michelle Sousa e Cláudia Regina Nascimento. Que figuras lindas. Que professoras competentes. Que seres disponíveis. Recepção maravilhosa! E o que dizer dos alunos de Turismo da UERN, que recepcionaram os nossos alunos? Brendon, Carlos, Dandara, Hodalissa e Jonas. Não cabiam em si para servir diuturnamente os nossos alunos que eram seus convidados. Turismo é bem isso. Hospitalidade. Zelo constante, dias felizes!

            Cada um deles em seu estilo, em seu tempo, em sua competência. Dias felizes! E a programação acadêmica? Caprichada, contemporânea, cuidadosa. Enquanto sou analógico a programação era digital. Assuntos curiosos, recém saídos do forno.

            Aliado a tudo isso conhecemos pessoas e pessoas de nossa mesma estirpe. Ousadas, de vanguarda, que fazem. Salete Gonçalves, Rosa Lopes, Saulo Batista, professores dedicados e competentes e que sabem que sozinhos não fazemos muito, mas juntos somos capazes de avessarmos o mundo. E visitamos a Feira de tudo, a Cervejaria Bacurim. Tudo isso tinha a minha cara e estavam relacionados ao evento e as discursões encetadas durante as palestras e mesas redondas. A cervejaria tinha a minha cara. Bacurim é nome expressivo para mim e para tantos cearenses, potiguares e nordestinos. É nome de minha infância e da Ray, tenho certeza. E lá estavam os palestrantes digitais. Palestrantes jovens aí pela casa dos trinta. Bons comunicadores, passaram dignamente as mensagens.

            Mas Ray, ou melhor, Raimunda Maria, é de Guaraciaba do Norte, serra. Eu, de Ipu, do pé da serra. Lianeide de Monsenhor Tabosa, a outra serra. Muitas e única identidade. E o que dizer da tapioca com queijo, feita ao modo cearense e potiguar, degustada na casa da Ray? E o cuscuz de Mossoró, no café da manhã com os alunos? Coisas de bom gosto. Não precisa ser caro ou sofisticado para ser bom e apreciado. Coisas da vida e boa vida.

            Em Mossoró conheço também Gorete Serra. Letrada, poetisa, turismóloga, guia de turismo, ufa! Tanta coisa. Recebeu meus grupos de turistas por muitos anos naquela urbe. Cearense competente que adotou o país de Mossoró e conhece aquela cidade como poucos.

            Feliz estou e feliz sou por ter participado de tão bom evento. Elegante. Leve. Salutar. Trouxe-me muitos ensinamentos. Ah! Também lancei meu livro “O Cemitério Revisitado” naquele espaço mágico com a presença da prefaciadora Lianeide Souto. Como ela é danada! Sabe vender e ver o que não tem, para dizer o que tem.

            Meus maiores agradecimentos aos nossos alunos, que nos acompanharam nesta excursão de conhecimento. Meus grandes agradecimentos a Cláudia Regina, Michelle, Ray, Rosa, Salete e Saulo, não esquecendo também do Rafael, pelo acolhimento, benevolência e sobretudo aconchego.

            Sou privilegiado por ter participado da feitura da mesa de mosaicos, capitaneada pela Romero. Colei muitos mosaicos, embora não tendo aprendido a cortá-los. Arte não é coisa fácil. Mas deixamos nossa arte feita em conjunto na forma de mesa para o jardim do bloco de turismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

            Parabéns! Vocês bem sabem fazer eventos e muito bem sabem receber e encantar!

            Coco, 17/11/2018.

Mais artigos do Autor.