Crônicas

Maria Silonildes de Mesquita

Titular da Cadeira nº 12

 

Valores adversos!

 

         Há quem diga que faz bem à saúde não colocar filtro ou peneiras na boca. Tenho minhas dúvidas, pois já conheci muitas pessoas que se deram mal, por falar de certos assuntos que não lhe dizem respeito ou por tentar denegrir a imagem de alguém. Esta prática foge do princípio da elegância e das máximas do cristianismo. Nas escrituras sagradas, no livro de Tiago, o Espírito Santo nos adverte; “Cuidado com a fofoca, pois a língua é um pequeno órgão, mas pode incendiar uma floresta. Diz também que o ser humano é capaz de dominar todas as criaturas e tem dominado toda espécie de animais selvagens, mas não é capaz de dominar a própria língua. Ela é má, cheia de veneno mortal e ninguém a pode controlar. Usamos a língua tanto para bendizer como para amaldiçoar as pessoas. Da mesma boca saem bênçãos e maldições. Quanta adversidade! Por acaso pode a mesma fonte jorrar água doce e amarga? “

        Temos que tomar muito cuidado com nossas práticas, pois temos uma tendência horrorosa de achar que o outro é igual a nós. Com isto, saímos caluniando as pessoas e colocando sobre elas defeitos que na realidade são nossos!

        Muitas pessoas perderam totalmente a censura, dizem o que vem a boca, sem o mínimo de respeito ou responsabilidade pelo outro!

        Engraçado; nunca se falou tanto de amor, como nos tempos atuais. As pessoas dizem para as outras que as amam e de repente estão falando mal, caluniando, agindo egoisticamente contra o outro para se promoverem.

        Precisamos buscar mais e mais a luz do bem, a força que vem do alto, para podermos ser preenchidos do verdadeiro amor! Quem ama seu próximo não julga, não sente inveja, não fica por detrás da cortina para ver a queda do outro. O amor é partilha, respeito, compaixão, misericórdia e tolerância. Respeitar alguém vai além do por favor e obrigada. Respeitar é importar-se com o próximo, ter apreço e querer bem. É zelar pela relação que se tem, seja ela qual for. Não precisamos ter parentesco com a pessoa para respeita-la, basta saber que se trata de um ser humano como nós, de alguém semelhante. O respeito deve ser como uma ética pessoal.  Uma pessoa grosseira que diz o que vem à boca, sem importar se os outros vão gostar ou não do que ela diz e faz com os outros, é uma pessoa desagradável, infeliz, sem educação e respeito ao próximo. Portanto, o respeito cabe em todos os lugares e faz a diferença na vida daqueles que sabem usar. Em cada um de nós existe um espaço, que mesmo que não esteja delimitado precisa ser respeitado. Quando agimos com tolerância, sabedoria e respeito, nos tornamos uma pessoa desejada e estimada por todos.  As relações agradecem e tudo fica melhor!

 

Mais artigos do Autor.