Crônicas

Maria Eunice Martins Melo Aragão

Titular da Cadeira nº 33

 

PERFUME DE GARDÊNIA

O Grêmio Recreativo Ipuense revestia-se da maior suntuosidade para receber a fina flor da sociedade dos anos dourados. De imponente construção e de impressionante luminosidade o clube abria suas largas portas para a realização dos bailes tradicionais da cidade. Ao som de valsas e boleros as damas rodopiavam no salão ao lado de elegantes cavalheiros. Do lado de fora as modistas admiravam embevecidas o fruto de seus trabalhos que emolduravam a silhueta das lindas donzelas de outras épocas. O "sereno" também era composto de damas do passado que recordavam com saudades seus amores e suas ilusões que se perderam no tempo. Muita gente curiosa e bisbilhoteira se aproximava das janelas para constatar se o casal dançava colado ou se o cavalheiro beijava furtivamente o rosto de seu par. Tudo era puro e simples mergulhado na poesia de um tempo romântico em que a vida marchava ao compasso dos sonhos e devaneios. Os vestidos “soirée” realçavam a cintura das jovens e senhoras. Saias rodadas, cortadas em godê duplo, abertas pelo poder das anáguas de renda que faziam o corpo flutuar na cadência de uma música inesquecível. Saudades do meu vestido coral, de cânhamo italiano, modelo trapézio, que fazia realçar a minha juventude. A orquestra de ritmo lento e cadenciado era um verdadeiro sonho. Os músicos eram contratados de Parnaíba, Sobral ou Forlaleza, bem antes da existencia do conjunto genuinamente ipuense: “OS COMETAS”. A estrada de ferro facilitava a vinda dos rapazes de Ipueiras, Nova Russas e Reriutaba. Os jovens de Guaraciaba desciam a Serra Grande em carros fretados. Tudo era ternura numa época em que se respirava PAZ. Os anos dourados eram tecidos de luz, de amor de mistérios e de encantamentos...

Ipu é uma cidade linda porém sem memória. O prédio suntuoso entrou em decadência e foi descaracterizado perdendo totalmente a beleza de sua arquitetura. Do Grêmio Recreativo de outrora só restou a saudade. As relíquias do Gabinete Ipuense de Leitura ainda estão guardadas na Biblioteca Francelina Martins de Araújo, nas dependências da E.E.F.M. Auton Aragão. O prédio do Palacete de Iracema foi vendido e o tempo levou uma parte que existia de cultura e de história de um povo. Hoje ainda ouço os acordes de uma melodia que para mim é a lembrança viva do último bolero: "PERFUME DE GARDÊNIA".

 

Ipu-Ce, 31/05/2010

 

 

Mais artigos do Autor.