Crônicas

José Solon Sales e Silva

Titular da Cadeira Nº 34

 

           Há duas semanas participei como examinador de uma dissertação de Mestrado em Turismo, onde a mestranda defendeu tese sobre restaurante gourmet. Ora, como pode um restaurante ser gourmet? Ou como pode uma comida ser gourmet? Hoje falam-se até em dim dim gourmet. Semanticamente gourmet é uma pessoa que aprecia a boa comida ou a boa mesa. Mas há uma tendência do mercado de consumo puro e simples, que deseja modificar a semântica da palavra gourmet, para vender todas as iguarias.

            Deixando o gourmet vamos ao reclame publicitário. Lendo os livros da biblioteca de meu filho, publicitário estudioso, aprendi alguma coisa sobre a história da publicidade no Brasil. Nos anos do pós-guerra está profissão começa a tomar corpo e surge o reclame, que era um chamamento para a venda de algum produto. O reclame publicitário, o slogan  e o merchandising são recursos publicitários muito usuais para a venda dos estabelecimentos de alimentação que usam o termo gourmet. “A arte de fazer delícias, na constante busca da perfeição”. É este o reclame da Galeria dos Pães, uma padaria com releitura de conceito. Talvez gourmet? Fato é que, se encontra de tudo, dos pães, aos frios, aos queijos e vinhos. Uma adega de tirar o fôlego que faz inveja a qualquer enólogo ou enófilo. Horário de funcionamento? Pasmem. Vinte e quatro horas servindo e servindo as mais variadas e temática iguarias. No salão do térreo a padaria, frios, queijos, adega. No mezanino, espaço para os gourmet. As quatro da manhã iniciam-se a montagem do café da manhã; as dez montam-se o bufê do almoço; as quatorze do chá da tarde; as dezoito das sopas da noite que se estende até as quatro da manhã. Então, começa tudo outra vez.

            Ambiente luxuoso com mesas em ferro fundido e tampos de granito emoldurados e machetados. Guarda corpo da escada também em ferro fundido retorcido e corrimões em bronze polido, cadeiras de espaldar em vime. Ambiente elegante e requintado com paredes em espelho. E o buffet? Há pães, os mais diversos em sabores e formatos, frios elegantemente dispostos em tábuas, sanduiches com mortadela importada; queijos do reino, brie, holandês, salames italianos dos mais lídimos. Ah! Deliciosamente expostos. Sopas? Quatro tipos com destaque para a sopa do chefe preparada elegantemente com bacalhau sem contar com o realce para a sopa de cebola. Divinas!

            Ali não se encontram refrigerantes. Somente sucos e, surpreendam-se, o destaque é o suco de caju. Nossa fruta nordestina brilhando na pauliceia. O outro buffet é de iguarias doces. As mais diversas incluindo-se as frutas frescas e saladas. Pudins e bolos com distinção para o bolo de banana. Leite, café e chás com mais de trinta variedades. Um verdadeiro atentado a gula. Garçons e garçonetes elegantemente vestidos e extremamente gentis, amáveis e sobretudo ágeis. Um templo do sabor e da alegria do bem comer.

            A casa oferece ainda salgados, sushi de pão, sanduiche de metro, tábuas de frios e queijos, cestas de mini pães e mini sanduiches embrulhados, tortas e bolos, cesta de café da manhã. E a adega? Um capítulo à parte. Os melhores rótulos do mundo, para os mais exigentes enófilos e enólogos.

            Bom comer bem. Melhor ainda ser bem acolhido e recebido. Para os gourmets petiscos e iguarias sem igual. O gourmet não come, alimenta-se, degusta, sobretudo. O caboclo cearense come e enche o bucho. Fico sempre em uma dúvida atroz entre ser gourmet e caboclo diante de tantas iguarias saborosas. Sou caboclo cearense, efetivamente, gourmet por educação. Fato é que na Galeria dos Pães a dúvida perdura sempre, pois os alimentos são de um sabor indiscutível e as iguarias únicas.

            Este empreendimento alimentar diferencial fica na rua Estados Unidos, no bairro Jardim América em São Paulo. O preço? Não é caro para quem tem bom gosto e gosta do que faz feliz a alma pelo sabor e excelência no serviço. Alimentar-se é também perceber o belo que nos vem pelos olhos, olfato e atendimento. Ser gourmet é definitivamente um diferencial. Vale a pena uma visita a este templo do sabor. Eu recomendo!

 Foto: Solon Sales

São Paulo - 30/12/2017

           

Mais artigos do Autor.