Crônicas

Abílio Lourenço Martins

Titular da Cadeira nº 12

 

A velhice Chegando 

O tempo passa, o corpo enfraquece, as rugas aparecem, o cabelo embranquece, outros caem, enfim, a velhice se aproxima.

Nos próximos dias deste mês de junho, mais um ano fará parte da minha vida. Ah, como voaram esses cinquenta e nove!    Olhando para trás, vejo, felizmente, que não me acompanharam os arrependimentos, os remorsos e as mágoas.  Tive, sim.  Mas deixei-os à margem do caminho.  É sempre um peso e incômodo trazê-los conosco.  

E as tristezas? Estaria no céu se afirmasse, também, que as deixei pela estrada. Não, estas nos aparecem aqui e acolá. Faz parte da nossa caminhada.  Contudo, não podemos permitir que o verbo ser tenha a predominância sobre o estar.

E a saudade?  Esta trazemos à tiracolo e não sabemos, exatamente, a sua dimensão e nem conceituá-la. Cada um tem a sua própria. O certo é que ela ocupa um lugar de destaque e definitivo no coração de cada um de  nós, onde armazena a eterna lembrança de um familiar, de um amigo, de um amor.

Reportando-me, ainda, ao desgaste natural que os anos promovem no nosso corpo, lembrei-me da bonita poesia de Cecília Meireles.

Ela escreveu:

“Retrato”

“Eu não tinha este rosto de hoje,

Assim calmo, assim triste, assim magro;

Nem estes olhos tão vazios,

Nem o lábio amargo;

Eu não tinha estas mãos sem força

Tão paradas e frias e mortas;

Eu não tinha este coração

Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança

Tão simples, tão certa, tão fácil.

Em que espelho ficou perdida a minha face.”

 

Abílio, 8 de Junho de 2011.

Mais artigos do Autor.