Crônicas

Titular da Cadeira Nº 34

 

             Maria mãe de Jesus. Ana mãe de Maria. Pois recebi, em minha jornada de 25 anos como professor da Universidade de Fortaleza as bênçãos destas duas criaturas. As duas, secretarias do diretor geral do centro onde era lotado como professor de turismo. Ana diurna, Maria noturna. Mas ambas apreciadoras da vida, dotadas de senso político e sobretudo humano. Argutas, perspicazes e sobretudo excelentes profissionais.

            Sabiam e sabem dar um não e assim mesmo deixar o interlocutor satisfeito, mesmo que a situação fosse adversa. Sempre gostei muito destas profissionais. Ana, séria. Maria, derretida. Ambas, pessoas ímpares. Sensíveis, hieráticas e possuidoras do senso da responsabilidade e do zelo. Competentes. Sempre souberam abrir e fechar portas com classe e maestria, para quem quer que fosse.

            Começa eu a receber as mais variadas missões de trabalho institucional. Missões e mais missões no mundo do trabalho. Elas influenciavam com perfeição a figura do superior para me engajar nestas missões. E eu achando que era o todo poderoso, o bonzão. Como era inocente. Hoje sei que muito do que fiz em minha vida profissional, fiz por interferência e maestria destas duas mulheres fantásticas, aparentemente elementares, mas possuidoras de grande sabedoria e poder de convencimento. Maria sempre simpática. Ana sempre séria. Mas isso são rótulos. Fato é que eram e são extremamente competentes e sabem fazer política de forma positiva.

            Resultado de tudo isso? Somos amigos há exatos trinta anos e, detalhe, sem nunca deixarmos de nos encontra, mesmo depois de encerrarmos nossas jornadas de trabalho na instituição. Mulheres raras e astutas. Maravilhoso poder privar da amizade destes dois seres e melhor ainda saber que elas conquistaram e continuam conquistando pessoas.

            Respeitar, admirar e amar não é tarefa das mais fáceis é tarefa para quem ama. Estas mulheres profissionais existem e são concretas. Obrigado Ana. Obrigado Maria. Seus nomes são desígnios de um criador e vocês tem sido luz em nossas diminutas caminhadas.

            Oh vida maravilhosa!

Coco, 24/08/2017

Mais artigos do Autor.