Artigos

Cláudio César Magalhães Martins

Titular da Cadeira nº 11

            Entre os personagens de Ipu que povoaram e continuam a povoar o imaginário de várias gerações de ipuenses avulta a figura do Coronel João Martins da Jaçanã, nome da fazenda de sua propriedade, conhecida, desde os fins do século 19 até as duas primeiras décadas do século 20, como antro de valentões e criminosos.

            Nascido provavelmente no ano de 1854, João Martins pertencia a tradicional e influente família ipuense, sendo irmão do Cel. Félix de Sousa Martins, primeiro prefeito de Ipu e primo de Abílio Martins, repentista, poeta e político de renome, que veio a ocupar o cargo de Chefe de Polícia, em Fortaleza, no governo de Justiniano de Serpa (1920-23).

            Àquela época, o título de “coronel” podia ser adquirido por qualquer indivíduo que se dispusesse a pagar ao governo a quantia de 50 mil réis e tivesse condições de comprar um rifle “papo amarelo” e uma ou mais caixas de balas. Nas discussões e pendengas que intervinha como árbitro, o coronel fazia valer a sua força, não raro, através de seu bando armado.

            Entre os casos nos quais interveio, o coronel João Martins da Jaçanã prestou socorro a um pobre homem que teve sua terra usurpada por um certo Antônio Alves, que prometera devolvê-la tão logo colhesse algumas mandiocas plantadas. Como não cumpriu a promessa feita, o coronel estabeleceu um prazo para a devolução, sob pena de destruir, com seu bando, as plantações e cercas da referida terra. Findo o prazo e comprovada a intenção dolosa do intruso, o coronel ordenou a seus homens que fizessem o serviço. Os capangas, contudo, foram além: tocaram fogo nas cercas e plantações, ocasionando considerável prejuízo ao invasor de terras. Este fez-se de vítima, recorrendo à Justiça e conseguindo do juiz de então, o Dr. Manoel Campelo, uma sentença que obrigava o coronel a indenizar o prejuízo. O valor da indenização era deveras elevado: dois contos de réis. Inconformado com a sentença, João Martins recusou-se a pagar o valor estabelecido, criando-se, assim, uma situação assaz delicada, pois o juiz ameaçava prendê-lo, mesmo que, para tanto, se fizesse necessário solicitar reforço policial da vizinha cidade de Sobral. Dois outros coronéis ipuenses da época, José Lourenço e Manoel Dias, tentaram em vão convencê-lo a cumprir a sentença. Por fim, a solução encontrada foi que cada um dos dois coronéis contribuiria com 500 mil réis e que o irmão do apenado, Félix Martins, entraria com o restante. Evitou-se, assim, que o caso tomasse proporções indesejadas, como a solicitação de reforço policial  para fazer cumprir, na marra, a sentença prolatada.

            Outro caso envolvendo o coronel ocorreu quando este já se achava na casa dos 70 anos. Um sobrinho seu, de nome Antônio Timbó, de apenas 30 anos de idade, achou por bem apossar-se de parte de um sítio que lhe pertencia na serra. Encontrando-se os dois para tentar resolver a questão, o sobrinho dirigiu-se a João Martins com palavras injuriosas, chamando-o de “corno velho sem-vergonha”. Imagine-se o tamanho da afronta. Os dois se atracaram e o sobrinho – mais forte e corpulento – passou a esmurrar o velho tio, após derrubá-lo. Ao rolarem pelo chão, o coronel, em desvantagem, fez uso da peixeira que trazia consigo, tirando a vida do inditoso sobrinho.

            Processado por assassinato, João Martins teve a sorte de ser defendido pelo advogado e folclorista Leonardo Mota, o Leota. Com sua voz retumbante e, sobretudo, com argumentos insofismáveis, Leota mostrou ao júri que seu constituinte, em virtude da avançada idade, levava flagrante desvantagem na luta com um jovem de apenas 30 anos de idade que o havia desrespeitado gravemente.

            Absolvido, João Martins recolheu-se à sua fazenda de Jaçanã, onde possuía uma pequena casa alpendrada e rústica. Registre-se que a referida fazenda fica situada a mais de 30 quilômetros de Ipu, na rota de Hidrolândia e bem perto de Irajá.

            Sobre sua fase de idoso, assim escreveu Francisco Magalhães Martins, meu tio e patrono: “Na velhice, não era mais, como dantes, aquele cavaleiro andante, ativo e lépido, a cavalgar pelos sertões de Ipu, Ipueiras, Reriutaba, Santa Quitéria e Tamboril, e a atravessar os campos de criar cortados pelos rios Jatobá, Feitosa, Macacos, Groaíras e outros afluentes do Acaraú. Pervagava, então, pelas fazendas, demorando na casa dos amigos e conhecidos, a brigar, ou melhor, a blaterar, defendendo-os, orientando-os, apaziguando-os, para acabar com as questões  e questiúnculas em que viviam constantemente envolvidos e, por vezes, embaraçados nas malhas da polícia e da justiça de antanho.”

            O coronel João Martins faleceu em dezembro de 1926, com cerca de 72 anos de idade, benquisto, admirado e temido em toda a região. No imaginário popular firmou-se a crença de que, quando perseguido e cercado pela polícia, punha seu grande chapéu diante dos olhos e se transformava num toco, tornando-se invisível a seus perseguidores.

 

Nota do autor: O presente trabalho baseou-se  em artigo de autoria de meu tio e patrono, Francisco Magalhães Martins, publicado, em 1977,  na “separata” da revista “ASPECTOS”, nº 11, da Secretaria de Cultura, Desporto e Promoção Social do Estado do Ceará.

Mais artigos do Autor.