Artigos

Abilio Lourenço Martins

 Piotr LLitch Tchaikovsky

Kamso – Votkinsk (Rússia) – 7 de maio de 1840

São Petersburgo (Rússia) – 6 de novembro de 1893

Outras atividades:

Pianista, regente e professor.

* * * * * * * * *

As obras de Tchaikovsky estão arraigadas de maneira tão profunda no repertório que a gente quase esquece que ele veio de uma nação que, em sua época, era considerada atrasada e periférica: a Rússia.

Assim como aconteceu com a literatura, a aparição da música russa no cenário cultural do ocidente foi um fenômeno relativamente tardio, do século XIX.  Uma das razões para esse “atraso” era a falta de instituições do ensino formal no reino dos tzares.

Neste país, Tchaikovsky foi o primeiro compositor de estatura a se dedicar ao balé, com partituras como “O Quebra Nozes”,  “O Lago dos Cisnes” e  a “A Bela Adormecida”.

Amado pelo público de todo o mundo, e programado com frequência por regentes e instrumentistas de diversas nacionalidades, Tchaikovsky é lembrado pela orquestração luxuriante, pela veia melódica rica e pelo intenso apelo emocional.

A carreira que lhe estava destinada não era a música, mas o direito.  Aos 12 anos, em 1852, foi levado pela mãe para São Petersburgo, ingressando na Escola de Jurisprudência.  O passo seguinte foi entrar para o Ministério da Justiça, onde sua trajetória, de acordo com alguns dos seus biógrafos esteve longe de ser memorável.

Nessa época, seu interesse maior já era a música, para a consternação da família. Como pode trocar a jurisprudência por uma vaia?, Teria dito seu tio.

Ter uma promoção negada no serviço civil forneceu-lhe o pretexto ideal para ingressar no Conservatório.  Seria o ponto de virada não apenas na vida de Tchaikovsky, mas na vida musical da Rússia.

O crítico literário, professor e músico, Herman Laroche, referindo-se à Tchaikovsky no ano de 1865: “Você é o maior talento musical da Rússia de hoje... Vejo em você a maior, ou, para falar a verdade, a única esperança de nosso futuro musical”.

A estreia de cada nova sinfonia, ópera ou balé era aguardada com enorme expectativa como aconteceu em 28 de outubro de 1893, quando ele regeu pela primeira vez a sua “Sinfonia no. 6” a “Patética”.

Homossexual, o compositor tinha um amor platônico pelo sobrinho Bob, para o qual, segundo os críticos, dedicou a sinfonia “Patética”, uma espécie de “bilhete suicida musical”

Nove dias após a estreia de “Patética”, Tchaikovsky faleceria, deixando à posteridade uma série de indagações sobre as causas de sua morte.

O certo é que a “Patética” não teria sido, assim, um “bilhete suicida” nem a descrição dos supostos tormentos de seu ator, mas sim a afirmação de seu talento como um dos maiores sinfonistas do século XIX.

 

 

Mais artigos do Autor.