Artigos

José Solon Sales e Silva

Titular da Cadeira nº 34

 

OS PEREIRA DA SILVA NO CEARÁ - APONTAMENTOS GENEALÓGICOS

           

Um deles chegou ao Ceará vindo da Tabúa na companhia do “preto velho José Rosa, pessoa de confiança” da família no Piauí conforme apontamentos de família de Francisco das Chagas e Silva (Chico Félix), sobrinho do migrante. Falo de José Solon, para nós, descendentes, José Solon Castelo Branco Pereira da Silva, embora meu primo Alberto Jorge Farias Castro e eu, ainda não tenhamos encontrado documento jurídico que comprovem estes sobrenomes. Mas nossas investigações genealógicas indicam um caminho certo com dados colhidos de “caderninhos de família”. José Solon e José Rosa trabalharam alguns meses em Cratéus.

Da fazenda Tabúa, no Piauí, que pertencia ao município de Valença e hoje pertencente ao município de Santa Cruz dos Milagres, até Crateús, tem-se uma distância de aproximadamente 250 km. Imagina-se uma viagem desta em 1906 realizada certamente em lombo de burro. Dias e mais dias até chegar ao destino.

            José Solon casa-se com uma tamborilense em 1906, Maria das Dores, em família Dolores. Dolores descendente de Ana Alves Feitosa, sua quarta avó, sesmeira de 1722 das terras da fazenda Tamboril, no alto Acaraú. Diriam uns, “gente de estirpe”, diremos nós “gente de princípios e valores”.

            Pois os Pereira da Silva da Tabúa, Piauí, aqui deixaram seu sangue, seus valores, seus princípios. Do casal José Solon, austero, como sempre ouvi falar, e Dolores, nasceram nove rebentos para perpetuar os Pereira da Silva do Piauí e Araújo Farias do Tamboril.

            Homens e mulheres de fibra, de luta, de valores. Antônio o primeiro, que era Antônio Solon (1907-1980). Solon (1908-1974) o segundo, só Solon, que lógica mais doida. O terceiro José Nicodemos (1909 - por volta de 1935). O quarto José de Arimathea (1911-1986). A quinta foi a primeira das três meninas, Maria Hellena (1914-?). A sexta e segunda das meninas Florinda Nilce (1915-2011) a mais longeva dos irmãos e a última a morrer. O sétimo Lázaro (1918-?). Oitavo Francisco Campoamor (1919-?) e por fim a caçula e nona filha Maria Bernadete (1932-2011).

            De todos eles constam os registros em um caderninho devidamente encapado com placa de alumínio um trabalho de arte prensada e elegante que mede 8cm x 5cm. Podiam ter pouco dinheiro, mas o bom é patente. Pois estes homens e mulheres descendentes dos primeiros povoadores do Piauí, cruzado com os primeiros povoadores ao alto Acaraú, em Tamboril, eram pessoas de muito bom gosto. Simples e elegantes, se é que o leitor pode entender.

            Antônio Solon e Solon, os mais velhos, aos 17 e 18 anos já eram professores em Cratéus, segundo registra Hugo Catunda em seu discurso de posse no Instituto do Ceará, em 23 de abril de 1957. De acordo com Hugo eram professores zelosos e competentes e foram responsáveis pela educação de crianças em Crateús por bom tempo. Nicodemos morreu solteiro e inupto, mas os outros sete deixaram descendência de boa cepa. Seria ignóbil dizer que não, dada a boa leva de netos, bisnetos e tataranetos brilhantes em todos os setores do fazer humano: economistas, comerciantes, professores, profissionais liberais, artistas em todos os segmentos da arte, sejam na arte plástica, teatral, visual. Premiados e reconhecidos, entes que fazem e são.

            Antônio Solon foi um visionário na área da saúde. Herdou do pai, dentista prático, nos moldes do final do século XIX, a arte dentária, tendo buscado o estudo superior para este afã, estudos na Faculdade de Pharmácia e Odontologia do Ceará. Solon, o pensador visionário estudou Direito no Largo do São Francisco em São Paulo, também foi professor de penhor em São Paulo e Fortaleza na primeira metade do século XX. Nicodemos morreu muito jovem, como dizia meu pai, de hemoptise, em Cascavel, Ceará, na casa dos pais. Arimatéia, nome forte e de religião, fiscal do consumo, por mérito próprio, depois de bacharelar-se em Direito, foi brilhante e reto em sua função.

            Também estudei Direito e ao me formar recebi um telefonema deste tio querido chamando-me a sua casa. Como sobrinho obediente atendi ao chamado do tio. Ao chegar a sua casa na Rua Carolino Sucupira, em Fortaleza, uma grande surpresa: tio Arimatéia tinha um presente de formatura para mim e disse-me: ‘meu filho, nenhum dos meus seis filhos estudou Direito, por isso vou dar-lhe um presente de formatura, minha coleção do Código Civil Brasileiro Comentado de Clóvis Beviláqua, de anos diferentes porque os adquiri ao longo do tempo’. Vocês leitores, jamais imaginarão minha alegria. Estava ganhando algo impensável para mim. Ao longo dos cinco anos de estudo de direito, na Universidade, ouvia falar nesta obra monumental dos estudos jurídicos e achava impensável possuir uma. Fui guardião desta coleção em seis volumes. Décadas depois minha tia Maria pediu-me a coleção para presentear um neto. Que felicidade em ter sido seu guardião. O neto do tio Arimatéia e tia Maria, filho do Cristovam foi o primeiro deste tronco dos Pereira da Silva a estudar Direito. Fui possuidor desta obra rara por tempos e melhor ainda, guardião deste belo presente Pereira da Silva.

            Maria Helena é a seguinte. Mulher hierática, firme, decidida, destemida casou-se com um santaquiterense, segundo ela, para ganhar liberdade e sair de casa, porque vovô era um pai muito rígido. Mas, pelo que ela dizia o marido era pior que o pai em matéria de rigidez, possuidor de um ciúme doentio. Resultado separou-se e migrou para São Paulo, para sair do jugo do marido. Em São Paulo fez concurso para os Correios e Telégrafos e depois de muitos anos voltou a Fortaleza. O casal não teve filhos. Já aposentada passava dias em nossa casa na Rua Professor Nogueira e ali sempre encontrava os irmãos, Arimatéia, Campoamor e Nilce para degustarem carneiro que papai mandava buscar em Tamboril. Depois do almoço deitavam-se em redes, cochilavam e conversavam. Isso pelo menos uma vez por semana ou a cada quinze dias.

             Tia Nilce, um primor. Florinda Nilce. Florinda para homenagear a avó paterna dos Pereira da Silva. Foi a guardiã da vovó Dolores. Ficou viúva do tio José Silva muito cedo e passou a cuidar da vovó. Uma artista nata, intuitiva, zelosa. Pintava e bordava. Telas a óleo, bordados e pinturas em tecido. Autodidata. Sem contar que também tocava violão ela e tio Solon. Era de uma mansidão confortante. Depois da morte da vovó, em 1974 em Cascavel, mudou-se para Fortaleza e comprou casa bem perto do irmão mais velho que eles chamavam de Tonho (acho que para diferenciar do irmão Solon). Era presença constante, diária e querida em nossa casa.

            Tio Lazito, nascido Lázaro é referencia forte em minha cozinha nos dias atuais. Lembro-me dele tomando uns uísques com meu tio Sales e primo dele, no bar da esquina da rua Pedro I com Senador Pompeu e eu ia até eles para ganhar bombons, que bom. Lembro-me dele também em sua cozinha na casa da rua Luiz de Miranda, quase esquina com Princesa Isabel, no bairro Benfica. Um gourmet, aliás, todos os irmãos, e Lazito um Chef. Cozinhava muito bem. Aos domingos, periodicamente ele pegava meus pais para irem almoçar no Frango Dourado, restaurante na entrada do Eusébio, referencia em Fortaleza nos anos 70. Longe. Uma viagem. Mas iam todos, Antônio Solon, Arimatéia, Helena, Lazito, Campoamor e Nilce e degustavam frango dourado!

            Tio Campoamor um amor de pessoa, alto, elegante e simples, tranquilo, amigo, camarada. Quando terminei o curso de Direito tratou de colocar-me para trabalhar com um amigo, Dr. Ximenes que possuía escritório no Edifício Lobras com entrada pela rua Barão do Rio Branco, no centro de Fortaleza. Naquele escritório militei por quase um decênio. E tio Campoamor sempre me acompanhando de longe, por meio de seu amigo Ximenes, muito zelosamente. Sou-lhe muito grato por isso até hoje. Ele e tia Gena sempre nos acompanharam nas férias em Paracuru aonde tomávamos banho de mar, conversávamos e riamos muito.

            Tia Beti a caçula dos nove irmãos, treze anos mais nova que o irmão predecessor, Campoamor. Uma mulher educadíssima e tranquila. Habilidosa como os irmãos. Mãe fervorosa. Elegante e de uma beleza singular sobressaindo-se sempre na simplicidade. Aliás, a simplicidade consegue se suplantar a opulência. Pelo pouco que conheci minha avó Dolores, penso ser a tia Beti, diga-se Maria Bernadeth, que teve como padrinhos de batismo um Padre, Januário Campos e como madrinha Nossa Senhora da Conceição, compadrio este muito curioso, dos filhos, a mais parecida com vovó.  Filhos abençoados, estes nove irmãos e além de tudo isso descendentes dos Araújo Farias e Pereira da Silva.

            Somos, antes de Araújo, Farias, Castelo Branco, Pereira da Silva, redundantemente gente. Buscamos bons tempos, boas energias, alegria e vida em plenitude.

            Abaixo, seguem as descendências do casal José Solon Castelo Branco Pereira da Silva e Maria das Dores de Araújo Farias e Silva. Leiam-se F = Filho, N = Neto, BN = Bisneto, TN = Tataraneto.

            Iniciaremos pela ascendência de José Solon Castelo Branco Pereira da Silva. Seu quarto avô veio de Portugal e fixou-se no Piauí ainda no final do século XVII:

ANTÔNIO PEREIRA DA SILVA (I) c/c MARIA DA PURIFICAÇÃO

Pais de:

ANTÔNIO PEREIRA DA SILVA (II) c/c ANA PULQUÉRIA DO MONT’SERRAT CASTELO BRANCO

Pais de:

FÉLIX PEREIRA DA SILVA (I) c/c CECÍLIA CIRÍACO DE JESUS

Pais de:

FÉLIX PEREIRA DA SILVA (II) c/c AUGUSTA FERRAZ

Pais de:

SOLON AUGUSTO PEREIRA DA SILVA c/c FLORINDA ROSA DE SANTANA CASTELO BRANCO

Pais de:

JOSÉ SOLON CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA

C/C MARIA DAS DORES DE ARAÚJO FARIAS E SILVA (DOLORES) em 1906, em Tamboril, Ceará:

F1 - ANTÔNIO SOLON DE FARIAS E SILVA C/C MARIA FARIAS SALES E SILVA , em 1938, em Tamboril, Ceará.

N1 = Maria Dolores Sales e Silva (morreu criança)

N2 = Francisco Antônio de Farias e Silva, em primeiras núpcias c/c Sônia Luz Monteiro e Silva

BN1 = Antônio Sérgio Luz e Silva c/c...

TN1 =

BN2 = Cláudio Sergei Luz e Silva c/c Taciana

TN2 = Fárida

TN3 =

BN3 = Sheila Luz e Silva c/c Antônio Junior

TN4 = Antônio Neto

TN5 =

BN4 = Paulo Sidney Luz e Silva c/c...

TN6 =

Francisco Antônio de Farias e Silva em segundas núpcias c/c Marilene Lourenço Farias

BN5 = Solange Lourenço Farias

N3 = Maria do Socorro Silva Martins c/c José Isaias Martins

BN6 = Flávia Silva Martins c/c Magno César Rodrigues de Lemos

TN7 = Beatriz Silva Lemos

TN8 = Magno César Silva de Lemos

BN7 = Solon Augusto Silva Martins

N4 = Joana Dolores Sales Aragão c/c Antônio Humberto Aragão e Silva

BN7 = Marinisi Sales Aragão Santos c/c Anderson da Silva Santos

TN8 = Gabriel Sales Aragão Santos

TN9 = Humberto Sales Aragão Santos

BN8 = Milton Sales Aragão c/c Luciana Cavalcante Peres Aragão

TN10 = Arthur Cavalcante Peres Aragão

TN11 = Davi Cavalcante Peres Aragão

BN9 = Antônio Sidclay Sales Aragão c/c Daniela Braga Godinho

BN10 = Janise Sales Aragão c/c Guido Alves Nascimento

TN12 = Yasmim Alves Aragão

N5 = José Acrísio Sales e Silva (morreu criança)

N6 = José Solon Sales e Silva c/c Fátima Helena Vieira Costa e Silva

BN11 = Antônio Solon de Farias e Silva Neto

BN12 = Pedro Henrique Vieira Costa e Silva

BN13 = Maria Vitória Vieira Costa e Silva

F2 = SOLON FARIAS E SILVA C/C DORA LOBATO E SILVA

N7 = José Lobato Farias e Silva (morreu inúpto)

N8 = Lélia Lobato Farias e Silva

N9 = Vanda Lobato Silva Taccola c/c Newton Taccola

BN14 = André Silva Taccola c/c Margarete Taccola

BN15 = Marcos Silva Taccola c/c Renata Burlemarqui

TN13 = Felipe Burlemarqui Taccola

BN16 = Fabiana Silva Taccola c/c Celso Machado

F3 = JOSÉ NICODEMOS FARIAS E SILVA (morreu inupto)

F4 = JOSÉ DE ARIMATÉIA FARIAS E SILVA C/C MARIA BARREIRA FONTENELE E SILVA

N10 = Maria Luiza Fontenele e Silva c/c Antônio Gomes Pereira (Toinho)

BN17 = Patrício Silva Pereira c/c Karla

TN14 = Keoni

TN15 = Gabriel

BN18 = Marcos Silva Pereira

BN19 = Raquel Pereira c/c Carlos...       

TN16 = Gabriela Pereira...

BN20 = Marcelo Silva Pereira

N11 = Paulo Fontenele e Silva c/c Maria Anice Sabóia

BN20 = Juliana Saboia e Silva c/c Ariel...

TN17 = Carolina...

BN21 = Gustavo Saboia e Silva c/c Gabriela e Silva

N12 = Sérgio Fontenele e Silva c/c Ana Cristina e Silva

BN22 = Lourenço e Silva c/c ...

TN18 = Talita...

BN23 = Tiago Fontenele c/c Tais Raquel...

TN19 = Pedro...

N13 = Marta Maria Fontenele Caramuru c/c Maurício José Lopes Caramuru

BN24 = Marina Silva Caramuru

BN25 = Henrique Silva Caramuru

N14 = Cristovam Fontenele e Silva c/c Ana América Cavalcante e Silva

BN26 = Felipe Cavalcante e Silva c/c Juliana Lucena Barbosa

TN20 = Victor Lucena Cavalcante e Silva

BN27 = Daniel Cavalcante e Silva c/c Nathália Monte Carrilho Alves da Silva

F5 = MARIA HELENA FARIAS E SILVA C/C ...

F6 = FLORINDA NILCE DE FARIAS E SILVA C/C JOSÉ VIANA SILVA

N15 = Maria das Graças Farias Silva Tavares c/c Francisco de Assis Araújo Tavares (Dião)

BN28 = Wendel César Farias Tavares c/c Priscilla Ferreira Ximenes Tavares

TN21 = Matheus Ximenes Tavares - Gêmeo com

TN22 = Mariana Ximenes Tavares

BN29 = Iliana de Maria Farias Tavares Fontinele c/c Afrânio Alves Fontinele

TN23 = Ana Lis Tavares Fontinele

BN30 = Diana Paula Farias Tavares c/c Francisco Ozanan da Cunha Junior

TN24 = Maria Clara Tavares Cunha

TN25 = Maria Luiza Tavares Cunha

BN31 = Michael Douglas Farias Tavares c/c Ana Cristina Araújo Tavares

TN26 = Ângela Araújo Tavares

F7 = LÁZARO FARIAS E SILVA C/C LENA FONTENELE E FARIAS E SILVA

N16 = Frederico Fontenele Farias

N17 = Arnaldo Fontenele Farias c/c Georgia Brasileiro Farias

BN32 = Leonardo Brasileiro Farias c/c Tainá Farias

TN27 = Antônio Farias

N18 = Lincon Fontenele Farias c/c Francisca Farias

BN33 = Melina

BN34 = Daniel

N19 = Patrícia Fontenele Farias c/c

BN35 =

BN36 =

N20  = Virgínia Fontenele Farias c/c

BN37 =

BN38 =

F8 = FRANCISCO CAMPOAMAR FARIAS E SILVA C/C MARIA EUGÊNIA FAÇANHA FARIAS

N21 = Maria de Fátima Façanha Farias

N22 = Luiz Hermano Façanha Farias

N23 = Maria Kátya Façanha Farias c/c Carlos Augusto Bezerra

BN39 = Anna Farias Bezerra

N24 = José Nicodemos Façanha Farias c/c Regina de Fátima Dantas Farias

BN40 = Solon Dantas Farias

BN41 = Clara Dantas Farias

BN42 = Hermano Dantas Farias

N25 = Mônica Façanha Farias c/c Jadwat Abu El Haj

BN43 = Ahed Farias Abu El Haj

N26 = Cristiane Façanha Farias

F9 = MARIA BERNADETH FARIAS E SILVA CASTRO C/C RAIMUNDO OZIELITO MAGALHÃES DE CASTRO

N27 = Antônio Alberto Jorge Farias e Castro c/c Nívea Maria Carneiro Castro

BN44 = Priscila Castro Cruz c/c Leonardo Cruz

TN28 = Théo Castro Cruz

TN29 =

BN45 = Talísia Carneiro Castro

BN46 = Manoela Carneiro Castro

N28 = Regina Coeli Farias Castro c/c José Tarcísio Cavalcante

BN47 = Gabriel Castro Cavalcante

BN48 = Guilherme Castro Cavalcante

BN49 = Clarisse Castro Cavalcante

N29 = Antônio Carlos Farias Castro c/c Francisca Elisnard Castro

BN50 = Carolina Castro Freire c/c Marcos Freire

BN51 = Nycholas Castro

BN52 = Guilherme Castro

N30 = Antônio Sérgio Farias Castro c/c Antônia Santos Moreira

BN53 = Bárbara Moreira Castro

BN54 = Davi Moreira Castro

            O casal José Solon e Dolores, tiveram 9 filhos e 30 netos. Tem 54 bisnetos e 29 tataranetos até maio de 2020.

Referências:

MIRANDA, R. Livro XIII – Família Pereira da Silva. In:___. Memória dos Ancestrais – parentes e contraparentes: uma genealogia do sertão. Teresina: Academia Piauiense de Letras, 2017.

 

Mais artigos do Autor.