Artigos

Abílio Lourenço Martins

Titular da Cadeira nº 12

 

Águas turvam se aproximam

Depois de uma vitória expressiva e inesperada pela maioria dos eleitores, Jair Bolsonaro assumiu o comando do país.

A sua vitória foi conquistada não em razão dos seus méritos, discutíveis, aliás, mas em razão do repúdio da maioria dos brasileiros com as gestões anteriores, recheadas de conchavos políticos e suspeitos, tendo como escudo a ideologia partidária. (Não se trata de ideologia).

Sem medo de errar: de dez, um defende, com convicção, essa ideologia. A maioria busca, na verdade, os seus interesses, sejam políticos ou financeiros. O resto, sem conhecimento, vai com os outros. Isso, porque até pouco tempo, era lindo dizer “Eu sou esquerdista”, “Viva a esquerda”.

Hoje, depois de 24 anos, a direita está à frente do país.

Sabemos que cinco meses é pouco para fazermos uma avaliação do atual governo, mas já se percebe a mesma prática do “nós contra eles”, que o atual presidente não está à altura do cargo. Verifica-se nos seus fracos pronunciamentos e em algumas medidas provisórias inoportunas para o momento.  

O Congresso, sabedor, e afeito ao “Toma lá, dá cá”, está dificultando ou sabotando algumas medidas encaminhadas pela presidência. Umas necessárias e amargas, outras, precisando, realmente, serem revisadas pelas casas legislativas.

Nesse embate percebe-se um desentendimento perigoso, envolvendo, ainda, o emblemático Supremo Tribunal Federal com as suas decisões parciais, outras descabidas, tendo, ainda, como pano de fundo a silenciosa Forças Armadas, com os seus principais líderes compondo a assessoria do atual governo.

Longe de uma ditadura, mas já perceberam como está fácil um golpe militar?

(Águas turvam se aproximam. Espero que não venham com o mesmo furor de anos passados)

Abílio, 23 mai 2019

 

Mais artigos do Autor.