Artigos

RENOVA BRASIL: UM SINAL DE ESPERANÇA

Cláudio César Magalhães Martins

Titular da Cadeira nº 11

            Não é segredo para ninguém que o setor político do Brasil virou um antro de corrupção e de falta de ética. Em consequência, muitos brasileiros falam em anular seu voto ou mesmo votar em branco nas eleições de outubro próximo. Nada mais errado e contraproducente, pois os maiores beneficiados no caso serão os políticos que aí estão, que já contam com seus eleitores cativos, fruto da compra de votos, de populismo e de interesses espúrios.

            Entretanto, desde o final do ano passado, surgiu um movimento renovador, bastante positivo e dotado de requisitos de seriedade, ética e compromisso com o país: é o RENOVA BRASIL (RENOVA BR), que vem recrutando candidatos jovens, de ficha limpa, para, de início, receberem um treinamento nas áreas de comunicação, autoconhecimento, economia e ciência política, dentre outras. O líder do movimento é Eduardo Mufarej, CEO  da “Somos Educação”, maior grupo de educação básica no Brasil.

            São enfatizados princípios éticos, morais e administrativos. É dada uma ajuda de custo para que os candidatos selecionados possam se manter até a data das eleições em condições de concorrer com as velhas raposas políticas que, desde já, se articulam para, mais uma vez, tomar o poder e dar continuidade às práticas condenáveis que todos conhecemos.                                           

              Os recursos para tal empreitada provêm de doações de pessoas físicas, entre as quais contam-se algumas de alto poder aquisitivo. O plano é investir algo em torno de R$ 200 mil por candidato. Este tem liberdade de se filiar a qualquer partido, desde que, se eleito, siga os princípios que lhe foram passados no período de treinamento.

              Ao contrário dos políticos atuais, os membros do RENOVA BR têm o compromisso de não buscar a perpetuação no poder, mas a perpetuação de filosofias.

            Se essa iniciativa terá sucesso só o futuro dirá. Contudo, mesmo que não colha frutos no curto prazo, representa algo de inovador no nosso panorama político e que, certamente, produzirá, no longo prazo, abundantes frutos.

Mais artigos do Autor.