Artigos

Titular da Cadeira Nº 15 

A Estação Ferroviária foi inaugurada em 10 de outubro de 1894 e representa um marco no crescimento econômico da cidade nas primeiras décadas do século XX. Há até pouco tempo estava abandonada e totalmente dilapidada.

A Construtora Garra Construções iniciou as obras de Restauração da Estação orçadas em R$ 744 mil, com participação dos governos municipal e estadual, com um prazo de 180 dias para a conclusão da restauração. O período expirou e o prédio, mesmo não restaurado totalmente, será reinaugurado.

SAIBA MAIS

O prédio da Estação Ferroviária foi inaugurado em 10 de outubro de 1894, quando circulou a primeira locomotiva pelos trilhos vinda de Camocim. Com sua inauguração, passou a ser o prédio mais elegante e monumental das primeiras décadas do século XX. Foi visto como um dos símbolos do “progresso” para parte de sua população. O trem e o telégrafo que o acompanha tiraram a cidade de seu “secular isolamento” em relação ao Brasil e o mundo.

A Estação Ferrovia havia sido vendida, em 2002. Coube a Associação dos Filhos e Amigos de Ipu, que tinha como presidente, Francisco de Assis Martins (o professor Melo), organizar movimentos de conscientização e defesa daquele patrimônio e a sua desapropriação e entrega ao setor público e, assim, sua devolução ao povo ipuense.

Em junho de 2006, por solicitação do Executivo, estiveram em Ipu os arquitetos Romeu Duarte, da 4ª Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Francisco Augusto Sales, procedendo à vistoria técnica do nosso acervo patrimonial, cultural e natural. Atendendo às recomendações dos agentes do IPHAN, a Prefeitura teria efetuado o tombamento por meio dos decretos números 17, 18 e 19, de 28 de junho de 2006 da Casa de Cultura, da Estação Ferroviária, da Igrejinha e da Bica do Ipu e de uma área de 200m para cada lado do Riacho Ipuçaba e de 500m “riacho abaixo, incluindo a Casa de Pedra”.

Em janeiro de 2007, segundo o Executivo municipal, na ocasião a prefeitura recebeu um ofício do IPHAN (of. IPHAN/4ªSR/GAB/nº014/07) na qual a Direção Nacional daquela instituição havia aprovado os projetos de Tombamento Federal para a Estação Ferroviária, a Igrejinha e a Bica de Ipu.

Para o efetivo tombamento da Estação Ferroviária era necessário que o executivo municipal cedesse o prédio, por pelo menos dois anos, para o Governo do Estado. Em outubro de 2007 o executivo enviou à Câmara Municipal o projeto de lei nº 62, de 10 de outubro de 2007 que autorizava o poder executivo a ceder ao Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura (Secult), por um prazo mínimo de 2 anos, o imóvel da Estação Ferroviária de Ipu para a sua restauração e instalação em suas dependências de uma Biblioteca Pública Municipal. Em sua Sessão Ordinária de 9 de outubro de 2007, a Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, o referido projeto de lei.

Em junho de 2008, estiveram em Ipu para dar continuidade ao processo de restauração da Estação os técnicos do IPHAN e do Departamento de Edificações e Rodovias – DER. O projeto arquitetônico já havia sido elaborado pelo ex-superintendente do IPHAN no Estado do Ceará, Romeu Duarte, e apresentado aos ipuenses na Sessão Itinerante da Assembleia Legislativa, realizada em Ipu, em agosto de 2007.

No entanto a partir da vistoria ao prédio da Estação, outros projetos complementares passaram a ser elaborados: projetos hidráulico-sanitário, elétrico e de estrutura metálica. O início da restauração só poderia ocorrer quando todos os projetos tivessem sido concluídos.

Concluídos os projetos e com dinheiro em caixa, as obras iniciaram. No entanto, os serviços estão paralisados. A velha Estação e a população esperam pela conclusão do projeto.

 

 

Mais artigos do Autor.