Artigos

Cláudio César Magalhães Martins

Titular da Cadeira nº 11

              Populismo é um termo usado para designar um conjunto de práticas políticas que visam estabelecer uma relação direta entre o povo e o líder carismático sem que se faça necessária a intermediação de partidos políticos ou de qualquer outra entidade.

            No final do século XIX, surgiu, na Rússia, um tipo de populismo que visava transferir o poder às comunas camponesas por meio de uma reforma agrária radical.

            No século XX, líderes como Adolf Hitler e Benito Mussolini galvanizaram o povo da Alemanha e da Itália, respectivamente, apresentando-se como "salvadores da pátria" e detentores de um poder supremo que terminou levando os citados países à II Guerra Mundial, com milhões de mortos.

            Na América Latina, figuras como Getúlio Vargas, no Brasil, e Perón, na Argentina, entre as décadas de 1930 e 1950, também utilizaram o populismo para manterem-se no poder. Getúlio governou, de forma ditatorial, entre 1930 e 1945, quando foi derrubado. Entretanto, voltou ao poder, democraticamente, em 1950, mas não suportou as pressões que lhe foram movidas, principalmente pela UDN, suicidando-se em 24 de agosto de 1954.

            Nos últimos anos, verificou-se, em alguns países sul-americanos, o ressurgimento do populismo de esquerda. No Brasil, tivemos a ascensão do PT através de Lula, e, na Venezuela, Hugo Chávez estabeleceu, a partir de 1999, um regime bolivariano, inspirado em Cuba, com restrições às liberdades individuais e à liberdade de imprensa. Seu sucessor, Nicolás Maduro, tenta manter-se no poder, a todo custo, mas o fracasso econômico-social da política bolivariana está a indicar uma mudança de rumos naquele país.

            Em nosso país, os governos petistas passaram a "aparelhar" as empresas estatais colocando para administrá-las quadros partidários que nem sempre tinham a devida competência para as funções que desempenhavam. Argumentava-se que objetivos políticos e sociais eram mais importantes do que lucros e valor de mercado.

            O exemplo mais patente dessa política foi a Petrobras que, após "aparelhada", passou a ser a maior fonte de propina para políticos e empreiteiros, chegando a ter prejuízos bilionários, além de ter sua eficiência operacional tremendamente prejudicada. O objetivo principal desse desatino era prover meios de o PT manter-se no poder e enricar seus principais líderes.

            Em conclusão, podemos dizer que, atualmente, o populismo latino-americano encontra-se em baixa: o regime bolivariano da Venezuela está prestes a ser derrubado e, no Brasil, a presidente Dilma Rousseff sofre um processo de impeachment e dificilmente voltará ao poder. Estes são os frutos de ideologias equivocadas, as quais desprezam a racionalidade e os princípios básicos da boa gestão, gerando desemprego, inflação e generalizada falta de credibilidade.  

Mais artigos do Autor.